MACEIO_MABE1.JPG

Mabe Bethônico

 

Sem título, 2020. Mabe Bethônico em colaboração com Gisa Bustamante. Projeto especial para M.A.P.A. mostra No Calor da Hora 300 x 900 cm. Av Josefa De Melo - Logo após Atacadão Maceió - Sentido Farol - Cruz das Almas - Maceió – AL. Fotografia: Matheus Cavalcanti.

 

Mabe Bethônico trabalha desde os anos 90 sobre questões da extração brutal de minérios em Minas Gerais. O modo como interesses de indivíduos da indústria mineral brasileira foram beneficiados com o golpe empresarial-militar brasileiro e o impacto da extração sobre o clima e comunidades são questões de suas pesquisas. Atualmente trabalhando sobre as manifestações pelo clima, a artista registra a indignação dos jovens diante da apatia de governantes frente a urgência de ações contra a perda da fauna e flora, contra a ganância capitalista que destrói a Amazônia e os mares. Em colaboração com Gisa Bustamante, sobre as imagens de protestos de estudantes, a artista adiciona sua própria manifestação no contexto brasileiro atual. 

 

Com obras em processo ao longo de anos de trabalho, Mabe Bethônico (Belo Horizonte, 1966) recria uma narrativa ficcional de fontes referenciais, produzindo obras com nuances ficcionais e documentais que questionam uma verdade instituída. Esse trabalho é viabilizado em uma amplitude de formatos, tais como: instalações, publicações, ensaios fotográficos, vídeos, objetos, textos e palestras. Alguns projetos que se estendem por anos, como é o caso do Colecionador, com produções incorporadas em um arquivo flexível. Participou da 27ª e 28ª Bienais de São Paulo, Panorama da Arte Brasileira em 2005 e Telling Histories, em colaboração com Ana Paula Cohen, Maria Lind e Liam Gillick em 2003. Possui mestrado e doutorado pelo Royal College of Art (Londres). Vive e trabalha entre Belo Horizonte e Genebra, Suíça.

 

Mabe Bethônico has been researching the issues of brutal ore mining in Minas Gerais since the 1990s. The way in which the interests of individuals in the Brazilian mineral industry benefited from the Brazilian business-military coup and the impact of extraction on the climate and communities are issues of his research. Currently working on manifestations for climate change, the artist records the indignation of the young people in face of the apathy of government officials in face of the urgency of actions against the loss of fauna and flora, against the capitalist greed that destroys the Amazon and the seas. In collaboration with Gisa Bustamante, the artist adds her own manifestation in the current Brazilian context on the images of student protests.

 

With pieces in process over years of work, Mabe Bethônico (Belo Horizonte, 1966) recreates a new narrative from reference sources, producing works with fictional and documentary nuances that question instituted truths. This is expressed thru multiple medias, such as: installations, publications, photographic essays, videos, objects, texts and lectures. Some projects that go on for years, as is the case with “the Collector”, with productions incorporated in a flexible file.  Bethônico has participated in group shows such as the 27th and 28th São Paulo Bienail, Panorama da Arte Brasileira in 2005 and “Telling Histories”, in collaboration with Ana Paula Cohen, Maria Lind and Liam Gillick in 2003. The artist holds an MA and PhD from the Royal College of Art (London). Bethônico lives and works between Belo Horizonte and Geneva, Switzerland.