MAPA-Outdoor_Fortaleza005-Recovered.jpg

Dalton Paula

 

Caprinos e o pasto, 2017.  Original: Óleo sobre tela | 130 x 296 cm. Obra adaptada para projeto M.A.P.A. mostra No Calor da Hora. Imagem digital (Foto: Paulo Rezende) | 300 x 900 cm. Avenida Dom Luis, altura do número 300 - Aldeota – Fortaleza (CE). Fotografo: Jarbas Oliveira.

 

A pintura "Caprinos e o pasto" é constituída por dois caprinos que estão situados em um ambiente ao fundo; e também por duas garrafadas. Esses ambientes recorrentes em meu trabalho, que podem ser o interior de uma casa, são para mim lugares imaginários, onde faço o exercício de colocar minhas angústias, minhas dúvidas e projeções de futuro. A cortina, que também é recorrente simbolicamente reflete o que está por trás das coisas (quais são as camadas de sentido que significam os objetos? a forma como estão organizados? como se dá esse jogo estabelecido?). As cabras são uma metáfora da humanidade para pensar as questões do presente e estão diante de uma garrafa de vidro (de uma bebida alcoólica qualquer) contendo cachaça e uma planta medicinal. Essas garrafadas são comumente usadas nas classes populares como medicamento. Dessa maneira, minha proposta é criar um embate entre as cabras que estão pastando, estão diante do alimento, mas não tem acesso, pois ele está dentro da garrafa e assim questiono: mesmo diante desse objeto de cura, como podemos acessá-lo? Isso se amplia para as questões de alteridade, para pensarmos cura social, cura política e diversas outras relações de poder. Em um país onde o agronegócio é prioridade, a monocultura e as pastagens cada vez mais ganham espaço, preterindo a biodiversidade das florestas. Toda planta tem suas propriedades medicinais e tóxicas, cabe a nós escolher.

 

Dalton Paula (Brasília, DF, 1982) transita pela pintura, objeto, instalação, performance, fotografia e vídeo sem hierarquizar os meios, explorando o caminho da violência racial e sua geografia, além dos ritos e rituais religiosos da diáspora africana. Seu trabalho foi exibido na Bienal de São Paulo (2016), Instituto Tomie Ohtake (2017), Trienal do New Museum (2018), 11ª Bienal do Mercosul (2018) e o Museu de Arte de São Paulo (2018). Foi indicado ao Prêmio PIPA 2017 e 2018, e foi vencedor da 7ª edição do Prêmio Indústria Nacional Marcantonio Vilaça. Vive e trabalha em Goiânia (GO).

 

The painting "Caprinos e o pasto" (goats and pasture) is composed by two goats in the background and two bottles. These recurrent environments in Paula’s work, which can be the interior of a house, are for me imaginary places, where he places his anxieties, doubts and projections of the future. The curtain, which is also a recurrent symbol, reflects what is behind things (what are the layers of meaning that objects mean? How are they organized? How does this established game take place?). Goats are a metaphor for humanity to think about the issues of the present and they are faced with a glass bottle (of any alcoholic beverage) containing cachaça and a medicinal plant. These bottles are commonly used in popular classes as a medicine. In this way, Paula’s proposal is to create a clash between the goats that are gazing, in front of the food, but have no access, because it is inside the bottle, asking: even in the face of this healing object, how can we access it? This expands to otherness issues, to think about social healing, political healing and several other power relations. In a country where agribusiness is a priority, monoculture and pastures are increasingly gaining ground, neglecting the biodiversity of forests. Every plant has its medicinal and toxic properties, it is up to us to choose.

 

Dalton Paula (Brasília, DF, 1982) works between painting, installation, performance, photography and video without hierarchizing any media, exploring the path of racial violence and its geography, in addition to the religious rites and rituals of the African diaspora. His work was exhibited at the Bienal de São Paulo (2016), Instituto Tomie Ohtake (2017), Triennale do New Museum (2018), 11ª Bienal do Mercosul (2018) and the Museu de Arte de São Paulo (2018). He was nominated for the PIPA Award 2017 and 2018, and won the 7th edition of the National Industry Award Marcantonio Vilaça. Paula lives and works in Goiânia (GO).